quinta-feira, janeiro 03, 2008
Vídeo da Semana

O ano era 1995. Ainda se chorava a morte de Kurt Cobain um ano antes. O anunciado falecimento do grunge estava próximo. Com No Code, um ano mais tarde, os Pearl Jam disparavam a bala misericordiosa que acabaria com o sofrimento do animal, e gravavam a letras douradas na sua lápide: “gonna make you smile/when the sun don’t shine/ gonna make you smile/ …I miss you already”.

O ano era 1995. O mundo, tal como o conhecíamos na ingenuidade dos nossos 18 anos acabadinhos de sair do Liceu, estava prestes a acabar. Um outro mundo abria-nos então as portas. Um mundo imensamente mais brilhante. E arrebatados pelo maravilhoso cintilante esquecemos todos o adágio que alerta que “nem tudo o que luz é ouro”.

Era 1995. O futuro parecia tão… fácil. Tão ao alcance. Tão… “What’s the story (morning glory)”. Ilusão! O que brilhava não era efectivamente ouro. Eram apenas holofotes de alta potência apontados a nós. Não para iluminar o caminho… mas para encandear. E quais traças, durante cinco anos avançámos sôfregos na sua direcção… crédulos na boa vontade dos homens. Até o calor nos queimar as asas.

1995. Ainda chorávamos a morte de Cobain. Mas por nós o grunge já podia morrer. Tinha cumprido com a sua função. Acompanhara solidariamente todas as depressões de uma adolescência da qual queríamos então livrar-nos. Tinha sido a almofada confortável onde repousáramos a cabeça em meditação… e a bandeira de uma diferença que reivindicáramos em relação ao mundo. Tinha sido útil. Mas já não era necessário.

95. O grunge estava moribundo. E todos sabíamos que era só uma questão de tempo até que a sua chama se apagasse. Mas num último esgar de consciência… numa derradeira e desesperada tentativa de sobrevivência… o animal por nós traído voltou a erguer-se. E ainda que ferido, por instantes, voltou a ser a besta magnífica que nos revolvia a alma com versos subversivos.

E do alto da magnificência de quem aceita a própria morte, arqueou um sorriso vingativo, franziu levemente o sobrolho e começou a segredar-nos o futuro ao ouvido: “The world is a vampire / set to drain”…






Smashing Pumpkins | Bullet with butterfly wings | Mellon Collie and The Infinite Sadness | 1995
posted by Raimundo @ quinta-feira, janeiro 03, 2008  
1 Obscenidades evitáveis:
  • At 03 janeiro, 2008 19:36, Anonymous Nuno B. said…

    Eia! Que saudades. Da música e das tuass postas. Vê lá se não desapareces tanto tempo.

    Abraço

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 


Nome: Raimundo
Morada: Algures em algum sítio, bem no meio de..., Portugal
Que mais queres tu?
Então vê o perfil

Blog aberto a fumadores. E não... não temos as dimensões estipuladas por lei para poder ter um espaço para fumadores. E como estamos num país de chibos, já estou mesmo a ver: um dia destes há uma denúncia anónima e aparecem-me aí uns estupores da ASAE para fechar o tasco!

http://www.totse.com/en/bad_ideas/ka_fucking_boom/atomic.html

Imbecilidades diárias
O Mundo desde o início
Mundos aliados
Mundos de subversão
Mundos da Cova
Mundos de sabedoria
Mundos em hibernação
Usurários

Powered by Blogger

15n41n1