sexta-feira, janeiro 06, 2006
Dia de Reis
Desde que me lembro de celebrar o Natal que me recordo de abominar o Dia de Reis. Perdi nas contas do tempo a razão de tal ódio, de modo que o meu sentimento em relação ao dia 6 de Janeiro passou a ser intuitivo. Já nem me lembrava do porquê… só sabia, cá dentro, que o detestava. Hoje dou por mim a pensar nisso novamente, e descubro o motivo da passiva animosidade. E não consigo conter um sorriso de escárnio auto-infligido no preciso momento em que resgato a recordação do baú das memórias.

Já me tinha esquecido. Como foi possível ter-me esquecido? O Dia de Reis marcava, na minha infância, o Fim do Natal. Acabava ali. Fim. Não havia mais rabanadas, nem doces, nem enfeites pela casa, nem luzes a piscar, nem tios e primos a entrar porta dentro com sacas de prendas por abrir e tabletes de chocolate suíço. Nessa noite o meu pai desfazia o presépio e voltava a embalar tudo: as bolas coloridas, as fitas de prata, as pequenas figuras, as 17 ovelhinhas de barro a quem eu tinha dado nomes únicos, o guarda do castelo parecido com o senhor Meireles que fazia a carreira da vila… todos iam para dentro da caixa que ficaria arrumada em cima do armário da sala até ao próximo Natal.

A magia acabava. No dia seguinte teria que voltar à escola, e aos trabalhos de casa, e à palmatória da professora Etelvina, e aos rufias ignorantes que jogavam bem à bola mas não sabiam escrever o próprio nome. O meu pesadelo estava prestes a recomeçar. E tudo porque era Dia de Reis!


– “Porque é que se diz Dia de Reis, mãe?”

– “Porque foi neste dia que os Três Reis Magos chegaram a Belém e entregaram as prendas ao Menino Jesus…”

– “…(suspiro)…”

– “Por que estás triste?”

– “Porque eles só deviam ter chegado em Fevereiro!...”


Desde que me lembro de celebrar o Natal que me recordo de odiar o Dia de Reis. Já nem me lembrava porquê. Simplesmente continuei, através da minha existência, a malquerer a data de forma inconsciente. Hoje lembrei-me da causa. E sorri para mim mesmo ao aperceber-me da sua inocência.

Já não celebro o Natal, pelo menos com a intensidade dos meus 10 anos, nem vou para a escola de manhã. Já não tenho medo de rufias ignorantes nem, tampouco, da palmatória da Dona Etelvina… pobre senhora. Não tenho, portanto, motivo algum para continuar a insistir neste rancor irracional ao Dia de Reis. E devia acabar com isto e encarar o dia com a mesma normalidade que adentro os restantes. Essa seria a decisão correcta a tomar. A única decisão a tomar, aliás!... Mas não o vou fazer! Por respeito à memória da minha própria ingenuidade, vou continuar a odiá-lo! Com todas as forças de que puder dispôr! Como se amanhã fosse inevitável... o recomeço do meu pesadelo!

posted by Raimundo @ sexta-feira, janeiro 06, 2006  
4 Obscenidades evitáveis:
  • At 06 janeiro, 2006 10:00, Blogger Luis Beirão said…

    Sim senhor, ó transmontano das dúzias! Belo estaminé que tens aqui montado! Dou-te os meu parabéns, acho que este registo está feito à tua medida e estás a sair-te muito bem. Quando quiseres ver a minha barraca vai a http://pinhobravo.blog-city.com. Como é óbvio, apesar de tudo, não chega aos calcanhares deste "Mundo do Raimundo". Adorei a história do Skipy...

     
  • At 06 janeiro, 2006 10:02, Blogger Luis Beirão said…

    Só mais uma coisa: está mais do que na hora de acabares com esses traumas relacionados coms as tuas professoras da juventude: depois deste tempo todo vejo que ainda não esqueceste a dona Etelvina, e aposto que o mesmo em relação à tua professora de português do Secundário...eheh

     
  • At 09 janeiro, 2006 12:01, Anonymous V.Samotrácia said…

    caro Raimundo, não vou contra argumentar a importância do meu nome nem recorrer à mitologia para te recordar da imponência da sua imagem de guerreira... (até porque gera muita controvérsia, mas é uma escultura linda)
    prefiro concordar que as recordações de infância nos marcam para sempre! eu não tenho problemas com o Dia de Reis, mas se há coisa que me agrada bastante é reconhecer o cheiro das papás que a minha avó fazia pela manhã! Um odor saboroso que me fazia largar os cobertores quentinhos, em dias de Inverno rigoroso, e correr para a cozinha! Uma situação que já não se repetia há muitos anos, mas que a minha mãe me deu o prazer de recordar neste Natal! E foi uma memória deliciosa!

     
  • At 18 agosto, 2010 00:51, Anonymous Anónimo said…

    Can I just say what a relief to find someone who actually knows what theyre talking about on the internet. You definitely know how to bring an issue to light and make it important. More people need to read this and understand this side of the story. I cant believe youre not more popular because you definitely have the gift.

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 


Nome: Raimundo
Morada: Algures em algum sítio, bem no meio de..., Portugal
Que mais queres tu?
Então vê o perfil

Blog aberto a fumadores. E não... não temos as dimensões estipuladas por lei para poder ter um espaço para fumadores. E como estamos num país de chibos, já estou mesmo a ver: um dia destes há uma denúncia anónima e aparecem-me aí uns estupores da ASAE para fechar o tasco!

http://www.totse.com/en/bad_ideas/ka_fucking_boom/atomic.html

Imbecilidades diárias
O Mundo desde o início
Mundos aliados
Mundos de subversão
Mundos da Cova
Mundos de sabedoria
Mundos em hibernação
Usurários

Powered by Blogger

15n41n1