quinta-feira, fevereiro 23, 2006
A “Incrível Estupidez” e a ressaca dos mon cherries

Há coisas tão incrivelmente estúpidas e previsivelmente inúteis que jamais deveriam ser tentadas. Há experiências cujo resultado, sabemo-lo de antemão, não interessa a ninguém. Não fará de nós melhores pessoas. Não contribuirá, de forma alguma, para o alargamento dos limites do conhecimento humano. Não nos proporcionará, sequer, um prazer imediato que não aquele de sabermos que, provavelmente e pelas mais variadas razões, não deveríamos estar a fazer aquilo.

Há coisas tão incrivelmente estúpidas e previsivelmente inúteis que jamais deveriam ser tentadas. E é exactamente por esse mesmo motivo que não conseguimos evitar fazê-las. Aliás, é essa dose de Incrível Estupidez o principal ingrediente da nossa adolescência.

Para o bem ou para o mal, a história de cada um está cravejada de episódios estupidamente gloriosos. Quase todos passados entre os 13 e os 20 anos. Quase todos perigosos. Quase todos imorais. Quase todos ilegais. Quase todos incrivelmente maravilhosos.

Quem nunca roubou um chocolate no Modelo só pela adrenalina? Quem nunca palmou uma Gina no quiosque do Pelourinho enquanto o senhor se virava de costas para fazer o troco da caixa de Chiclets que acabávamos de comprar com 500 escudos? Quem nunca levou uma garrafa de Whisky do pai para beber com os amigos no liceu entre uns jogos de lerpa a dinheiro nos intervalos das aulas? Quem nunca entrou num concurso para ver quem apalpava mais miúdas nos corredores da escola, ou quem bebia uma lata de Coca-Cola de um só trago ou mais cervejas consecutivas? Quem nunca tentou meter na boca vários pacotes de Super-Gorila?...

…Para quê?... Por que não?

Até há uns dias atrás achava eu que os adolescentes detinham o monopólio da Incrível Estupidez. Engano meu. Embebido de uma euforia revivalista motivada pela presença de um dos meus mais antigos amigos e companheiro de armas em momentos incrivelmente estúpidos, eis que me vejo, de novo, envolvido em mais uma dessas experiências destinadas a acabar em trauma físico e/ou psicológico.

O Benfica acabava de vencer o Liverpool e, como tal, impunha-se uma celebração. Com álcool. Como é óbvio. Ora, aqui é que se levantou o problema. Estávamos em casa e não havia cerveja. Não havia whisky. Não havia brandy. Não havia nada. Nem uma gota de álcool. Nem pinga…

…Bom…quer dizer… há ali quatro caixas de Mon Cherry desde o Natal… e os mon cherries… quer dizer… têm álcool não é?… Podemos tentar apanhar uma bezana com mon cherries!...

“Apanhar uma bezana com mon cherries!...” E nem precisámos de um segundo para pensar. Os nossos olhos brilharam na direcção das quatro caixas rosa-choque empilhadas dentro do armário das bebidas. “Apanhar uma bezana com mon cherries!...” Era tão incrivelmente estúpido que tinha que ser tentado.

Numa hora devorámos, a meias, as quatro caixas. Primeiro ainda começámos com a técnica de roer um cantinho, sugar o licor e pôr o chocolate de lado. Mas depois achámos que era um desperdício de tempo e de chocolate e vai de emborcar tudo. Quarenta bom-bons numa hora… duas caixas… Com o objectivo último de tentar ficar bêbado… Não importava se era ou não possível. Importante era tentar! E nestas coisas o que conta é a intenção…

Como é óbvio – para mim, agora, também – duas caixas de mon cherries não deixam bêbado ninguém (pelo menos com uma constituição física normal). Podem comer à vontade que ainda conseguem fazer o “4”, andar em linha recta, dizer “iparipapígrafo” sem gaguejar, manobrar maquinaria pesada e perceber que o Beto é a maior das nódoas do plantel do Benfica… O que já não vos garanto, é que não andem o dia seguinte a correr para a casa de banho de dez em dez minutos com diarreia provocada pelo excesso de chocolate e de cerejas cristalizadas.

Se não estou arrependido?... Hoje já não! Se repetiria a experiência agora que sei o resultado?... Isso seria muito estúpido… não acham?

Ah!... só mais uma coisa…

EMBRULHEM seus adolescentes borbulhentos e espinhosos com as vossas competições de mijar mais longe e ejacular mais alto e/ou mais vezes consecutivas... A estupidez deixou ser exclusivo vosso!

posted by Raimundo @ quinta-feira, fevereiro 23, 2006  
5 Obscenidades evitáveis:
  • At 23 fevereiro, 2006 12:11, Anonymous Nuno B. said…

    Infelizmente, a Incrível Estupidez não é, nem nunca foi, exclusividade da adolescência. Afinal, foram homens adultos, pelo menos na aparência, que desenharam, construiram e lançaram a bomba atómica... curiosamente, são agora os grandes moralistas dos programas nucleares. Mas isso é outra história.

     
  • At 23 fevereiro, 2006 14:29, Anonymous camarada do Raimundo neste episódio incrívelmente estúpido said…

    pois, bêbado não fiquei, mas da caganeira e de uma incrível irritação cutânea não me livrei. Ainda hoje me dói a barriga. ah pois é... o raio dos moncherrys batem forte, mas é no estomago!...

    Por outro lado, ò Raimundo, pelo menos, já podemos riscar este item da lista das coisas estúpidas por fazer!

     
  • At 23 fevereiro, 2006 17:35, Anonymous V. Samotrácia said…

    eh pá...oh raimundo...mas como é que tu te poes nestas coisas?!! ainda a minha mãe diz que so a mim me aconteceu situações estupidas e do arco da velha...but then again ...ela ñ te conhece...pois...e a caga merdeira durou muitos dias?!!ehehehe

     
  • At 23 fevereiro, 2006 19:28, Anonymous Jack... "da ripa" said…

    Pois eh amigo raimundo... metes-te nelas... agora aguenta! eheheh...

    e olha lah... mas soh das exemplos de coisas estupidas de gajos... mas as garinas tb fazem muita estupidez na adolescencia que vao de ter sexo com um tipo soh porque eh o mais popular do liceu a meter xumaços nos sutians para fingir que tem mamas maiores ou ainda telefonemas anonimos para professores mais novos com conversas obscenas... Nao sao soh os rapazes k cometem estupidezes...

    E jah agora... para a proxima limitem-se a fazer um furinho nos mon cherris e despejem o líquido para um copo... nao sei se dava para ficarem bebados... mas pelo menos evitavam as dores de barriga!

    ;)

     
  • At 23 fevereiro, 2006 21:23, Blogger Raimundo said…

    Obviamente, caro Jack, o agente patológico responsável pela Incrível Estupidez não “ataca” apenas os rapazes. As raparigas são é menos exibicionistas e têm as suas crises na intimidade do grupo de amiguinhas. Por outro lado, e ao contrário do que se passa com o sexo feminino, o rapaz cresce em harmonia com a Incrível Estupidez: não só não se arrepende de ter feito o que fez, como ainda sente orgulho disso e recorda com um certo saudosismo esses episódios em que foi incrivelmente estúpido à frente de toda a gente!... Como, aliás, o atestam as comuns tiradas iniciadas com “Eh pá, lembras-te daquela vez em que…”

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 


Nome: Raimundo
Morada: Algures em algum sítio, bem no meio de..., Portugal
Que mais queres tu?
Então vê o perfil

Blog aberto a fumadores. E não... não temos as dimensões estipuladas por lei para poder ter um espaço para fumadores. E como estamos num país de chibos, já estou mesmo a ver: um dia destes há uma denúncia anónima e aparecem-me aí uns estupores da ASAE para fechar o tasco!

http://www.totse.com/en/bad_ideas/ka_fucking_boom/atomic.html

Imbecilidades diárias
O Mundo desde o início
Mundos aliados
Mundos de subversão
Mundos da Cova
Mundos de sabedoria
Mundos em hibernação
Usurários

Powered by Blogger

15n41n1